quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Pedinte de Amor

Pedinte de moedas pra saciar a sede de álcool
Pedinte de olhar pra acabar com a magia
Pedinte de toque pra sentir o arrepio
Pedinte de desejo pra lambuzar de sabor
Pedinte de amor pra sentir vida
Pedinte de consentimento pra sentir perdão
Pedinte de ti pra comprovar existência
Pedinte de milhares de beijos pra te ter aqui
Pedinte de fique pra não escapar nunca
Pedinte apenas de coisas que não se pede
Pedinte de tudo que se recebe instantâneo
Pedinte de algo que sempre espero
Pedinte de você que não quero
Pedinte de moedas pra saciar a sede de álcool
Apenas ele vai acabar com minha sede pedinte de ti
Pois me fará esquecer que antes pedinte foste
De meu mau amor
Não podendo nem ser denominado como amor em si
Pois quem pede sente falta
E a falta é a distância do amor.

Leticia Duns

2 comentários:

Fernando L. disse...

Como diria Renato Russo:

Quem inventou o amor?

ele é complicado e difícil demais, complica em um tanto a nossa vida.

Linda Poesia


bjos, Fernando

Descobrindo Um Novo Ser Lunático disse...

Adorei a citação, acho que poderia desenvolver um diálogo de horas e horas sobre isso sabe... Melhor deixar assim, se não em tudo acaba o encanto...

Leticia Duns.