terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Infância

Encontrar no brilho de uma estrela
Algo perdido que não quer se achar
Com formas e cores inimagináveis
Com cheiro e sabor de infância.


Ah, a infância
Faz parecer que é fácil
Faz imaginar o que não existe
Faz viver pelo passado
Querendo ser futuro.


 Futuro de estrela assim
Sem encontrar uma fresta de luz
E ainda assim se achar brilhando
Para quem lhe contempla
Na escuridão de uma noite silenciosa.


Silenciosa infância de estrela.
Perdida.

Leticia Duns


6 comentários:

aRTISTA e aRTEIRO - Rubem Leite disse...

Noite silenciosa
Se perde nos gritos de nossa alma
Nem sempre atenciosa.

Lindo poema, minha flor. Beijos meus em você e no Tiagão.

Anônimo disse...

a infancia que não volta em pessei por acasso aqui e achei mto lindo seu blo leticia pra bens sabata guedes abraços

Leticia Duns disse...

Ebaaaa, adoro sempre seus comentário querido Rubem !!! Muito obrigado. Ahhh, aproveito para lhe parabenizar pela nova fase no Nota... Estou adorando te ler.

Sabata, muito obrigado pelo comentário. Adorei, espero que passe sempre por aqui, será bem vinda!

Beijos

Edemir Fernandes Bagon disse...

Estou tão feliz por você voltar a escrever suas poesias.Um brinde à arte!
Um abraço poético!

Leticia Duns disse...

Oie Edemir, que saudades !!!

Confesso que andei meio ausente das palavras, mas postarei mais poesias com maior frequência ...

Muito obrigado pelo lindo comentário e, abraço poético para você também !

Beijo.

Thiago Panda disse...

"silenciosa infância de estrela"...
Obrigado pelo carinho das palavras e por esta imagem poética belíssima!
Voltarei mais vezes!
\o/