terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Lembrança

Quando cai essa chuva fininha
Olho pela janela e lembro.
Quero brincar, correr, pular
Ir na rua andar de bicicleta.
Comprar bala, chiclete, pirulito
Lá na venda do Tião.
Brincar de esconde-esconde
Só para achar a Amanda
Que é sempre a primeira
A ser achada.
Cantar em roda com meus primos
Aquela musiquinha do peixinho.
É mais ou menos assim:
Se eu fosse um peixinho, soubesse nadar
Colocava a Luana no fundo do mar
Se eu fosse um peixinho, soubesse nadar
Colocava a Biu no fundo do mar
Se eu fosse um peixinho, soubesse nadar
Colocava o Jefferson no fundo do mar
Depois que está todo mundo no fundo do mar
Vai tirando um a um, até ficar uma pessoa só
Mais ou menos assim:
Se eu fosse um peixinho, soubesse nadar
Eu tirava a Biu do fundo do mar.
Quando sobra uma pessoa só no fundo do mar, canta-se:
Lixeiro, lixeiro...
O engraçado é que a Luana é sempre o lixeiro.
Quando essa chuva está caindo
Fico lembrando...
Estamos brincando de casinha
E prometemos para o Jefferson
Que a gente ia brincar de carrinho e bolinha de gude
Só para ele brincar de casinha com a gente.
Depois da casinha, a gente fugia para não brincar
Dessas brincadeiras de menino.
O Jefferson é o único menino
No meio de tantas meninas.
Ele está com muita raiva.
É legal quando a gente vai na rua
Jogar vôlei e futebol
Andar de bicicleta e de patins
Um par de patins para nós 5.
É engraçado.
Escalar os muros da casa da vó
Fazer bagunça na sala assistindo televisão
E comendo bolinho de chuva ou pipoca.
Bom mesmo, é se divertir
No balanço improvisado.
Tio Marcos, César, Isaías, Saulo
Quando o balanço quebra
O primeiro tio que aparece arruma para a gente.
E a bagunça começa novamente.
Quando essa chuvinha caí
Às vezes nos escondemos na casa da vó
Para brincar de escolinha
A Dani e a Ednice adoram ser professoras
E a gente aprende com elas.
Nesses dias de chuva, às vezes
Sentamos no chão e ficamos pintando
Revistinhas de desenhos com canetinha colorida
Que a Amanda trouxe da casa dela.
É o máximo. Cada qual pintando sua princesa.
E se vendo, princesa.
Só é ruim mesmo
Quando a chuva fininha começa
E a gente sai correndo
Cada um para sua casa.
E fica olhando pela janela.
Esperando o último pingo de chuva cair
Para sair no quintal e começar tudo de novo.
Quando cai essa chuva fininha
Adoro ir para a primeira janela que vejo
E olhar lá para fora, esperando a última gota cair
Por que sei que quando isso acontecer
A sensação que terei é aquela
Que sentia quando saía correndo para o quintal
Para começar tudo de novo !!!
Começar a se divertir
Começar a sorrir
Começar a ser sempre feliz
Como uma criança...

Leticia Duns

4 comentários:

Rafael Carvalho disse...

Isso se resume na seguinte frase:
UMA DOCE E VELHA INFÂNCIA!

Excelente poema!!!
Parabéns, Lê!!!

Al Reiffer disse...

Que belo poema, Letícia, bastante inspirado. Parabéns! Abraços!

Thiago Domingues disse...

" E quando essa chuvinha caí"...
Entre os desejos de fim de ano, talvez o mais importante deva ser voltar com a simplicidade... e para isso as crianças são mestres para nos mostrar né?
Um ano abençoado e com muita poesia no olhar e no coração!
\o/

CASSIANE SCHMIDT disse...

Que lindo, simplesmente maravilhoso. Me vi em tantas dessas brincadeiras, você com suas delicadas palavras me fez reviver o encantamento, a alegria do maior e melhor momento da minha vida, que foi minha infância!