sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Água Multicor

Olho para o céu cinza de um dia colorido
Penso como seria se tudo isso mudasse
Numa fração de palavras suas.
Sei que isso jamais aconteceria....
Você nunca soube conversar,
e também nunca soube ouvir verdadeiramente.

Mas lembrando de seus lábios falantes
Penso como letras e números lhe escorriam
Boca a fora... Palavras jorradas como água.
Sem valor, sem sentimento e consentimento.

Olhando agora, vejo que não cinza é o céu
De boca e lábios e linguas coloridas.
Mas percebo que é algo que não conheço,
Não desvendo e não quero voar
Nesse céu multicolor de descrença e manipulação.

E termino preferencialmente assim, sem cor.

Leticia Duns.

3 comentários:

Luís Gustavo Brito Dias disse...

- termina assim, cinza.

aRTISTA e aRTEIRO - Rubem Leite disse...

E o céu da boca apaga a luz quando chove palavras sombrias dizendo-se falar verdades quando o que diz são maldades, parcialidades.

Thiago Domingues disse...

Terminar em poesia é sempre não terminar e o que é cinza, vira colorido, um colorido poético!
\o/