segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Espelho

Uma leve bruma quente-fria
Toca-me levemente
Tão suave que a senti
Em seus mistérios me cobrir.

Leve bruma quente
Que me toca e diz
Leve à frente
A esperança que reluz

Leve bruma fria
Anda e lamenta
Foi-se anteontem
Dizer que me desfiz

Leve bruma quente-fria
Deixa-me entre um e outro
Entre equilíbrio e confronto
Passos e espasmos

Fria-quente leve bruma
Escura transparência
Desfia os vestidos
E leva a descrença

Bruma... Leve fria-quente
Costura o caminho
De cordas e labirintos
Em suas malhas puras.

Bruma ...
Em tecer me faz perder
Em perder me faz andar
Ao andar, faz se jogar...

Na leve bruma quente-fria.

Leticia Duns

7 comentários:

Leticia Duns disse...

Recebido de: Tiago Costa
Onde: por e-mail

More, que Obra LINDAAAA, o legal desse poema é que nos faz dar um zig-zag rsrrsrsrrsrsrss.

Adorei a maneira que o poema nos faz dar volta e querer encontrar a resposta e a relação com o espelho.

Me encontrei em diversos momentos do poema.

More Parabéns, fiquei muito contente por ter voltado a escrever, e voltou com chave de ouro.

Rubem Leite disse...

Concordo com que Tiagão disse. Eu também o vi diversas vezes no
poema. Aliás, vi ambos. E, sem maldades, vi os dois se amando fisicamente. Ver é modo de dizer, pois não fiquei "imaginando" (= vulgaridade); é mais um reconhecer...
Acho que está me entendendo.
O poema é simplesmente belo. Vi Letícia e Tiago em outros momentos também.
E o melhor, o poema é lindo.

Leticia Duns disse...

Recebido de: Marcos Batista
Onde: Por e-mail

Oi Lê,acabei de ler seu novo poema,muito bonito por sinal espelhos da alma são os olhos de outrem,quente-frio aumento e diminuição de temperatura preciso para junção dos metais temperados. Pode ser usados como representações de figuras de sentimentos humanos, calor e frio,alegria e tristeza,espelho ver o outro em si ou se ver no outro.

Fernando disse...

E nada como se jogar ao ar livre e sentir essa leve bruma.

Se enxergar apenas em si. saber qe se pode ser você mesmo é fantástico. Sem máscaras, sem pausas.


Você em menina, fica fora um tempãããão, mas quando volta arrebenta.


Meu beijo!

Por que você faz poema? disse...

Num espelho de brumas...

Leticia Duns disse...

Adoro comentários, obrigado galera !

Bj, Le.

Maria Rodrigues disse...

As brumas escondem um grande tesouro da humanidade, a Excalibur de Avalon.Olá sou amiga da Michele Lynn e ela me passou o seu blog. Maria Rodrigues